Artigos Mercado Produção Audiovisual — 16 dezembro 2015
A simbiose entre o produtor audiovisual e a film commission

A mais significativa manifestação do vínculo das film commissions (FC) com os produtores audiovisuais na América Latina foi a importância dada ao assunto no recente Fórum EGEDA-FIPCA do Audiovisual Ibero-americano, em Santo Domingo, na República Dominicana, em novembro, que reuniu os principais agentes do setor audiovisual ibero-americano, para debater e planejar as posturas do setor em relação aos principais desafios da região. No painel “As film commissions e sua contribuição ao desenvolvimento da indústria audiovisual”, conduzido pelo presidente da Associação de Produtores do México, Gonzalo Elvira, além de Steve Solot e representantes de FCs da Espanha, México e outros países, os panelistas explicaram como as FCs podem servir como agentes estratégicos do desenvolvimento sustentável do setor audiovisual. O Fórum foi realizado pela EGEDA, a Entidade de Gestão dos Direitos dos Produtores Audiovisuais, e pela FIPCA, a Federação Ibero-americana de Produtores Cinematográficos e Audiovisuais, duas das entidades mais representativas da região.

Neste mês de dezembro, por ocasião do Ventana Sur, um dos mais importantes mercados de conteúdo audiovisual da América Latina, a Rede Latino-Americana de Film Commissions (Latin American Film Commission Network-LAFCN) promoveu um “Workshop de Film Commissions” para oferecer orientação técnica a autoridades, funcionários públicos e o público em geral sobre os objetivos, operações, benefícios e a forma jurídica das FCs, tanto para as já estabelecidas, quanto para as que estão em desenvolvimento ou as que serão criadas. O evento, conduzido pelo Centro Latino-Americano de Treinamento e Assessoria Audiovisual-LATC, contou com o apoio do Instituto Nacional de Cine y Artes Audiovisuales (INCAA). A palestra do conhecido produtor argentino Diego Corsini, diretor geral do Cineworld SRL, enfatizou a relação simbiótica entre o produtor audiovisual (cinema, séries de TV, documentário, publicidade etc.) e a FC.

A febre das Film Commissions no Brasil continua a se espalhar pelo país. Em 2008, havia 19 FCs em atividade “visando a atração de produções audiovisuais internacionais e o posicionamento do Brasil como provedor de locações de forma competitiva no mercado global de entretenimento”. Atualmente, de acordo com os dados da Rede Brasileira de Film Commissions – REBRAFIC, existem 26 FCs espalhadas pelo país, sendo 10 formalmente constituídas e 16 em processo de implantação.

Os benefícios contabilizados das filmagens em uma localidade são numerosos e existem em vários níveis, incluindo os benefícios diretos da filmagem, os benefícios indiretos, como o aluguel de equipamento, hotéis, catering etc., e os chamados benefícios “induzidos”, como os gastos de salários efetuados pelos trabalhadores e suas famílias que recebem pelos empregos na filmagem. Existem também os benefícios para a localidade de visibilidade nacional e internacional nos filmes e séries de televisão. No entanto, além do impacto econômico e a geração de emprego na região, os primeiros beneficiados diretos são os produtores de conteúdo audiovisual.

O produtor tem muitos motivos para manter uma relação estreita com a FC. Primeiro, porque é ela que oferece apoio logístico e até político para as produções que ele está rodando – a FC abre as portas para receber as autorizações necessárias para fechar uma rua, filmar em um parque nacional ou sobrevoar um monumento. Além disso, a FC, através do site ou contato pessoal, encaminha produtores nacionais e internacionais para o produtor local e gera oportunidades de expansão das atividades.

Por este motivo, as principais associações de produtores do Brasil estão representadas no Conselho Consultivo da REBRAFIC. São elas: a Associação Brasileira de Produtores Independentes de TV – ABPITV, o Sindicato Interestadual da Indústria Audiovisual – SICAV, o Sindicato da Indústria Audiovisual do Estado de São Paulo – SIAESP, a Associação Brasileira de Produtores de Obras Audiovisuais – APRO, a Fundação de Cinema do Rio Grande do Sul – Fundacine, e o Cinema do Brasil.

Em seu artigo “A melhor amiga do produtor audiovisual”, na publicação “Guia Brasileira de Film Commission”, disponível para download gratuito no site da REBRAFIC  www.rebrafic.net, Leonardo Monteiro de Barros, produtor reconhecido da produtora Conspiração, sintetiza a essência da relação entre o produtor e a film commission: “’Film Commissions’ são parceiras extremamente valiosas para os produtores audiovisuais. A mera presença, o nível dos serviços, as redes de conexões, as facilidades de acessos e os recursos humanos e/ou financeiros que uma ‘film commission’ oferece são fatores importantíssimos – às vezes, decisivos – na decisão de realizar uma filmagem ou gravação em determinada cidade, Estado ou região.”

 

Por Steve Solot, Diretor Executivo, Rede Brasileira de Film Commissions – REBRAFIC (www.rebrafic.net) e Presidente, Rio Film Commission (www.riofilmcommission.com)

 

Relacionados

Compartilhe

(0) Comente

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>